Terceira edição do Hopi Pride Festival consolida de vez o retorno do Hopi Hari

Aconteceu na madrugada do último sábado (10) para o domingo, a terceira edição do Hopi Pride Festival, o evento do parque de diversões Hopi Hari dedicado à cultura LGBT. Com o lineup formado por Francinne, Wanessa Camargo, Gloria Groove e Pabllo Vittar, o evento fortificou de vez o retorno do parque.

Em 15 horas de entretenimento, além dos shows, tiveram também a presença de DJ’S em dois palcos alternativos, o Popi e o Eletronik. Tinham opções para todos os gostos. Obviamente, os brinquedos funcionavam durante todas as apresentações, inclusive, os mais radicais, ficaram abertos até 2h00!

Mas bora falar dos shows? a primeira a subir ao palco foi Francinne, a La Rubia. Em cerca de 1h de show, a ex cover de Britney Spears destilou e abusou de toda a sua latinidade, apresentando as divertidas “Corpo Caliente”, “Bom Demais” e “Não Espalha”. Rolou também covers de Camila Cabello e Cardi B. “Havana” e “I Like It” deixaram o público em euforia.

Importante ressaltar que todas as performances contavam com grandes breaks de dança. Foi um acerto gigantesco colocar Francinne para abrir a noite:

Seguindo a noite, pouco depois entrou Wanessa Camargo. Sem nenhum álbum ou EP recente, a cantora relembrou sucessos antigos e destacou seus novos lançamentos. Se Francinne trouxe o frescor de novidade, Wanessa deu um show de nostalgia com os hinos “Tanta Saudade”, “O Amor Não Deixa” e “Não Resisto a nós Dois”.

Seguindo praticamente uma linha cronológica, os singles dos discos “Total”, “Meu Momento”, e o divisor de águas, “DNA”, não passaram despercebidos. Inclusive, o “DNA” foi responsável pelos momentos mais elaborados do show. Wanessa e seu impecável balé deram performances grandiosas nas músicas “Stick Dough”, “Stuck on Repeat” e “Worth It.” Ainda que essa fase internacional da cantora não tenha dado certo, não deixa de ser prazeroso assistir.

Um dos pontos altos do set, foi o retorno de Francinne para a apresentação de “Tum Tum”, parceria lançada há dois meses:

Mas, o grande momento da noite ficou mesmo pela primeira performance ao vivo de “LOKO!”, música que saiu na última sexta-feira. Alegando nervosismo, esta foi a melhor apresentação dela na noite. O nervosismo comentado não apareceu, ao menos, para o público. Rolou até a coreografia das cadeiras que ela faz no clipe:

Encerrando o show com o sucesso “Shine It On”, o óbvio ficou mais claro ainda. Wanessa Camargo precisa lançar um novo disco pop (em português) urgentemente.

Dado o fim do concerto de Wanessa, e já adentrando a madrugada, Gloria Groove subiu ao palco. Com um figurino femme fatale, a intérprete de “Bumbum de Ouro” se reafirmou não somente como uma das melhores drag queens do Brasil, mas como uma das mais proeminentes artistas de R&B também.

Sem ter lançado um disco completo ainda, a cantora apresentou todas as músicas do EP “O Proceder”, lançado no ano passado. “Império”, “Dona” e “Gloriosa”, todos esses hinos estavam lá. Dançando horrores e ainda com o gogó perfeito, Gloria proclamou todo o seu empoderamento em discursos motivadores durante as trocas de músicas.

Não esquecendo de suas amigas, ocorreu uma sequência apenas de parcerias, com “Rebola”, “Catuaba” e “Joga a Bunda”. Tudo isso foi antes do momento mais fofo da noite, quando uma fã subiu ao palco e pediu sua noiva em casamento! Em meio a aplausos, o tão esperado SIM foi dado.

Já encerrando a apresentação, o sucesso “Arrasta”, parceria com Léo Santana, foi relembrada.

A derradeira a noite ficou a cargo de “Bumbum de Ouro”, finalizando o penúltimo show do dia. Ficamos agora na torcida para que Gloria lance um disco o quanto antes!

A atração mais aguardada, Pabllo Vittar, chegou para encerrar a noite de shows já na metade da madrugada. Se o público estava com sono, a drag fez questão de espantar qualquer vestígio de desânimo.

Ainda que esteja no início da turnê do CD “Não Para Não”, é evidente que Vittar já domina por completo o trabalho ao vivo. “Buzina”, a música que abre o álbum, foi igualmente selecionada para ser carro chefe do show. Certamente a melhor opção de abertura.

Com o balé mais completo entre todas as atrações, Pabllo também entregou o show mais produzido, incluindo a presença de interludes no telão. Tudo muito bem arranjado para performances nada simples dos hits “Problema Seu”, “No Hablo Español” e “Miragem”.  Como dito no parágrafo anterior, este show faz parte da turnê do novo trabalho da drag, mas, os hinos antigos não ficaram de fora. “K.O”, “Corpo Sensual”, “Indestrutível” e “Então Vai”, completaram o show.

ESTRUTURA DO PARQUE 

Para receber um evento deste porte, o parque precisou adotar algumas mudanças, como a implantação de caixas e bares por todas as áreas. Felizmente tivemos tempo de transitar por todas as partes do complexo e insatisfação, não encontramos.

Pelo aumento de atendimento, não haviam grandes filas. Vale ressaltar que os postos de comes e bebes, além dos caixas, ficaram abertos durante toda a programação do evento.

Em relação aos banheiros, infelizmente ocorreram alguns problemas. É verdade que o Hopi possui bastantes sanitários, contudo, não foi o suficiente. Até mesmo o banheiro masculino, que tende a ser mais rápido que os das mulheres, ficou de difícil acesso. Algumas filas ultrapassavam a entrada, inclusive. Fica a dica para a produção colocar alguns banheiros químicos na próxima edição.

Voltando um pouco aos shows, como dito no início do texto, haviam três palcos no evento. Um para receber os shows, e outros dois com DJ’S de música pop e eletrônica. Os três, apesarem de estarem em seus volumes máximos, de forma alguma abafou o som do outro.

OS BRINQUEDOS

Foram horas de música e shows, mas, não podemos esquecer dos brinquedos! Surpreendendo, a grande parte de todas as atrações estavam em pleno funcionamento. Montezum, Katapul e Evolution, os principais radicais estavam em plena ação, angariando filas durante todo o dia.

Para curtir mais, havia a opção de comprar o  VIP PASS, que dava direito a ir nos brinquedos sem pegar a fila.

A grande parte das atrações fecharam às 19h00 de sábado, porém, os “perigosos” citados no primeiro parágrafo, permaneceram abertos até às 02h00 de domingo. Dava pra curtir sossegadamente.

Por motivos de segurança, o Rio Bravo, uma das atrações aquáticas mais legais, estava fora de funcionamento no dia. Ficamos na torcida para que numa próxima, além do Rio, a manutenção do Ekatomb já esteja finalizada.

Vale ressaltar também o retorno do Hadikali, uma das melhores atrações que já estava sem funcionar durante um tempo:

Foram 15 horas de muito entretenimento, sem dúvidas. Assim como o próprio slogan sugere, O Hopi Hari voltou a ser o País Mais Divertido do Mundo (ao menos de São Paulo cumpre muito bem o papel). De forma alguma há indícios que algum dia esse parque foi fechado por conta de problemas financeiros.

Torcemos para que haja novas edições do Hopi Pride, assim como de outros eventos , e quem sabe, o adicionamento de atrações internacionais? Fica a dica!

Comentários